Moniz Silva apresenta este mês detalhes da candidatura

0
468

Moniz Silva, pré-candidato à presidência da Federação Angolana de Basquetebol (FAB), visando o ciclo olímpico 2020/2024, apresenta antes do dia 15 do corrente, de forma detalhada, as linhas de força do seu programa de acção, em conferência de imprensa.

O empresário justificou que o encontro com os profissionais da Comunicação Social não aconteceu antes por questões relacionadas com a agenda e acredita ser este o momento ideal para abordar os pontos altos do programa de gestão do órgão reitor.

Com experiência de quase duas décadas como vice-presidente para o basquetebol do 1º de Agosto, o empresário promete fazer reformas na estratégia de marketing e equipar a FAB de meios tecnológicos.

O antigo dirigente militar considera o rejuvenescimento dos hendecacampeões uma premissa que deveria ser imediata. Por outro lado, reconhece que os desafios são “enormes” face ao potencial da instituição.

No seu entender, o alcance das metas passa por incutir uma filosofia de planeamento de trabalho para cada ciclo olímpico e de organização baseada nos objectivos estratégicos.

Moniz recordou que foi durante o seu mandato que o 1º de Agosto conquistou os primeiros títulos na Taça dos Clubes Campeões Africanos em sénior masculino. É com base nesse traquejo que vai delinear alguns pontos do seu plano de gestão na Federação.

O proprietário da MSI Lda, detentora da maior cadeia de farmácias em Angola, visitou no passado dia 22 de Agosto o Sporting Clube de Luanda, no quadro da responsabilidade social da empresa, e ofereceu um par de tabelas para a reactivação do basquetebol de formação.

Em declarações a este diário, o pré-candidato descartou a possibilidade de se tratar de um acto com carácter eleitoral: “As pessoas podem estar a especular, mas é importante realçar que o Sporting não faz parte da população votante; foi um gesto de reconhecimento a um clube centenário e histórico, como fazemos com outros”.

Por outro lado, recordou os jogadores que passaram pela formação leonina e que “contribuíram fortemente” para o engrandecimento da modalidade no país, casos de José Carlos Guimarães (treinador) e Olímpio Cipriano, ainda no activo, ao serviço do Petro de Luanda, bem como de Zezé Assis, já falecido.

Apoios chegam de vários estratos

A antiga capitã da Selecção Nacional e do 1º de Agosto, Nacissela Maurício, manifesta-se favorável à pretensão do empresário em assumir os destinos da FAB.

Fora das quadras há quatro anos, a ex-praticante recordou a gestão e o ambiente de trabalho criado pelo pré-candidato ao serviço do clube rubro e negro nas vestes de vice-presidente para a modalidade.

“É uma pessoa exigente e competitiva; teve um papel fundamental nas inúmeras conquistas alcançadas por nós quer a nível doméstico quer internacional. Além de ser um bom gestor, conhece os meandros do basquetebol no seio da FIBA-África pelos anos que esteve à frente do 1º de Agosto”, justificou.

António da Luz, comentarista para o basquetebol da Rádio Cinco, enalteceu a competência administrativa do antigo homem forte para a “bola ao cesto” da equipa militar e destacou a vasta experiência.

O poste Felizardo Ambrósio asseverou que Moniz Silva tem muita competência para agregar à modalidade: “Precisamos de um homem com visão, capaz de tirar o basquetebol do buraco. Ele não vai à Federação em busca de melhores condições, mas para agregar valor e desenvolvê-lo com projectos que tenham pernas para caminhar”.

Neste momento, a FAB é gerida por uma Comissão de Gestão “ad hoc” liderada por Gustavo da Conceição, cuja equipa integra Tony Sofrimento, Anselmo Monteiro, Bi Figueiredo e Brendau “Dinho” Júnior

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here