MCK: Novo álbum, novas críticas

0
3021

O rapper MCK acaba de lançar um novo álbum, “Valores”. Apesar de reconhecer alguma abertura política em Angola, o músico de intervenção social diz que ainda não se pode falar em mudanças profundas no país.

Há mudanças políticas em Angola? “A série é a mesma, só estamos numa nova temporada”, responde MCK.

O rapper angolano tem um novo álbum, intitulado “Valores”. O trabalho foi apresentado este domingo (12.08) em Luanda e sucede-se a “Proibido Ouvir Isto”, lançado há cinco anos, o disco que tornou célebre o tema: “O País do Pai Banana”.

Com o novo álbum, MCK quer ajudar a “devolver” a Angola valores culturais, económicos, sociais e morais. O disco, com 16 faixas musicais, aborda temas como a liberdade, a integridade, a justiça e a transparência.

O rapper diz que não espera muito do novo Governo, passado quase um ano desde as últimas eleições, a 23 de agosto de 2017.

“Nós estamos a ser governados por um partido que está no poder há mais de 40 anos. Então, estamos a falar das mesmas pessoas. Houve uma transição presidencial-partidária, não temos ainda uma transição de regime”, conta em entrevista à DW África.

“O filme é o mesmo”

Também o rapper Mente Mágica, conhecido no mundo lusófono por ganhar batalhas no concurso de freestyle “Reis do Rompimento” e amigo de MCK, não vê ainda grandes mudanças, apesar de reconhecer “um pouco de mais abertura” no país.

“Até agora o filme é o mesmo. Houve troca de personagens”, embora seja ainda cedo “para fazermos um julgamento sério do novo Governo porque ainda não tem um ano”, admite. “Mas a verdade também é que não devemos alimentar esperanças falsas. Melhor do que tudo é esperar para ver.”

MCK espera mais da população do que da governação: “Só se tem democracia forte quando tu tens boas exigências. Então essa é a altura, pelas aberturas políticas que temos – temos de tirar a nossa cidadania do ‘modo de voo’ e meter no vibrador ou deixar tocar alto”.

Formado em Filosofia e Direito, o músico admite a possibilidade de abraçar um projeto político nos próximos tempos, à semelhança do rapper moçambicano Edson da Luz “Azagaia” que, em 2009, se candidatou a deputado pela lista do Movimento Democrático de Moçambique (MDM) no círculo eleitoral de Maputo.

“Não descarto a possibilidade de me candidatar, uma vez que reúno os requisitos suficientes para que, no futuro, abrace um projeto político”, diz.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui