Líder da CASA-CE em risco de ser destituído?

0
612

Quatro dos seis integrantes da CASA-CE exigem a destituição do seu presidente, André Mendes de Carvalho “Miau”. Analista acredita que a coligação está “em vias de se desmoronar” e que a crise vai favorecer o MPLA.

A Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE) entrou em “letargia” com André Mendes de Carvalho “Miau” na presidência, entende Simão Makazo.

Para o líder do Partido Democrático para o Progresso e Aliança Nacional de Angola (PDP-ANA), que integra a coligação, está na hora de destituir o líder da CASA-CE para dar lugar a alguém que possa “a breve trecho” trazer “dinamismo” e “alavancar” a força política.

“Essa lamentação dos militantes obrigou a direção da CASA-CE a pedir a demissão do presidente ‘Miau’, para ser substituído por um outro”, comenta Makazo em entrevista à DW África.

Seria essa pessoa Abel Chivukuvuku? Makazo é peremptório: “Não, não. É um outro que não é Chivukuvuku.”

A verdade é que Chivukuvuku realiza, na quarta-feira (03.02), em Luanda, uma conferência de imprensa sobre o seu futuro político. Em fevereiro de 2019, Abel Chivukuvuku foi destituído da liderança da CASA-CE, que fundou em 2012, por “quebra de confiança”.

“Miau” a par da situação

Dois anos depois, agora é a vez de os partidos que compõem a coligação pedirem o afastamento de “Miau”.

Em entrevista à Rádio Nacional de Angola, esta terça-feira (02.02), André Mendes de Carvalho disse estar a par da situação e prometeu falar sobre o assunto dentro de duas semanas.  

“Há um processo à volta desta situação que está a ser gerido internamente”, confirou. 

Entretanto, nos corredores já se fala num possível substituto do político – Manuel Fernandes, um dos membros da presidência da coligação. 

Contudo, dois dos seis partidos que compõem a CASA-CE não se reveem neste processo. Um deles é o Bloco Democrático (BD), do histórico Justino Pinto de Andrade.

CASA-CE perto da derrocada?

Para o jornalista angolano Ilídio Manuel, esta nova crise na CASA-CE augura um futuro incerto para a coligação.

“Isso tudo prova que a CASA-CE está em vias de se desmoronar. Trata-se de uma coligação que foi criada sem ter os alicerces bem assentes”, avalia.

O analista prevê também dias difíceis para toda a oposição angolana até 2022, ano de eleições gerais.

“Ainda poderá haver muito mais dissidências no seio dos partidos da oposição. De certo modo, isso reforçará quem está no poder.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here