Invasores de terrenos «aterrorizam» moradores do bairro Cinco Fios 1

0
1061

Mais de cinco mil moradores mostram-se preocupados com os invasores de terreno no bairro Cinco Fios 1, em Luanda, zona adjacente ao projecto habitacional do KK 5000.  A equipa de reportagem do  KilambaNews foi até ao local e apercebeu-se dos moradores que os invasores têm recebido casas e terrenos, instando os proprietários a não reagirem sob pena de serem “agredidos e até mesmo mortos”.

A ameaça por catanas, facas e até mesmo arma de fogo é uma forma que os invasores encontraram, como descreve Ana Júlia Pedro a equipa de reportagem do KilambaNews. “Sentimos medo. Já fui vítima dessa acção, mas infelizmente não conseguiram tirar-me da minha casa. Para tal, tive que dar dinheiro e implorar aos invasores que não tinha para onde ir com os meus filhos”, descreveu a morador.

Segundo Ana Júlia, no mês passado, os invasores receberam cerca de 20 terrenos e casas. Um dos moradores citado por Ana, Carlos Rangel, fez saber que são mais de 200 invasores que vivem em várias zonas do “Kilamba bairro” que praticam estes actos que, considerou, desumano. “Não tem sido fácil. Não podemos fazer nada. Quando eles chegam, somos obrigados a fugir para não sermos questionados sobre a legalização das nossas casas e terrenos”, disse Carlos Rangel.

Os moradores contaram ainda que recentemente um casal foi agredido em casa por se recusarem entregar uma parte do terreno. “O quintal da senhora é grande. Quando os invasores chegaram queriam que o casal vendesse a outra parte do terreno, mas eles recusaram-se a vender. Visto isso, os invasores começaram a agredir os dois e depois puseram-se em fuga”, disseram.  

Contactado pelo KilambaNews, o representante da comissão dos moradores dos Cinco Fios, que preferiu o anonimato, disse que a polícia nada faz para tomar o controlo da situação triste porque passam os moradores.

“A polícia aqui não entra, fica com medo dos grupos de marginais que existem aqui nesse bairro”, explicou, pedindo a intervenção da polícia. Por outro lado, queixou-se da falta da actuação das autoridades.

info@kilambanews.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui