Sinistralidade rodoviária faz mais dois mil mortos em todo país

0

Os acidentes rodoviários nas estradas do país provocaram, entre 01 de Janeiro e 30 de Setembro, mais de dois mil óbitos e sete mil feridos, deu a conhecer hoje (sexta-feira), em Luanda, o porta-voz da Direcção Nacional de Viação e Trânsito, superintendente-chefe Angelino Sarrote.
Em declaração a imprensa no final da abertura do ciclo de palestras sobre a “Sinistralidade Rodoviária”, o porta-voz do DNVT, superintendente-chefe Angelino Sarrote, avançou que a média diária de 26 acidentes, sete mortos e 29 feridos.

O excesso de velocidade, ultrapassagem irregulares, uso excessivo de bebidas alcoólica, mau estado das vias e técnico dos veículos, bem como a falta de iluminação, são dentre outros motivos que concorrem para sinistralidade rodoviária no país.

O responsável apontou como zonas cinzentas quanto ao maior índice de sinistralidade rodoviária no país, as estradas nacionais 230 (de catete) e a 100 (barra do Kwanza).

Especificamente na capital do país, Luanda, o porta-voz da Direcção Nacional de Viação e Trânsito referiu que a principal causa da sinistralidade rodoviária tem a ver com as características da malha rodoviária, como a rede projectada para poucos habitantes, a existência de poucas estradas principais que levam ao centro da cidade, falta de manutenção das mesmas e a sinalização precária (semafórica, vertical e horizontal).

Segundo dados divulgado pelo porta-voz, o município de Luanda domina as estatísticas quanto à sinistralidade rodoviária com 524 (37 porcento) acidentes, 116 mortos e 357 feridos, cuja natureza predominante foram os atropelamentos com 221 casos e as colisões entre Automóveis com 141.

Destacar ainda os distritos urbanos da Maianga com 145 acidentes, 36 mortos e 88 feridos, Ingombota com 122 acidentes, 22 mortos e 95 feridos e Samba com 106 acidentes, 29 mortos e 75 feridos.

Angelino Sarrote adiantou também que durante a quadra festiva têm já visado várias campanhas de sensibilização rodoviária a nível nacional, com vista a diminuir o índice de acidentes durante o período.

O porta-voz disse ainda que a iniciativa do CIAN e o INEA, vai ser aproveitado pela Direcção Nacional de Viação e Trânsito com vista a disseminar a informação, no sentido da redução dos níveis de sinistralidade rodoviário que têm se assistido.

Share.

Leave A Reply