Angola no mundial dos factos e decisões

0
112

Mundial do Satélite na forja! Sentimentos e sofrimentos de uma nação, protelados e toda uma angústia enviada à desmemória do povo que somos enquanto, os “príncipes e potestades” da governação nacional, os decisores da hora e dos egos concebidos vão tomando decisões dentro do caldeirão da Assembleia Nacional.

Nos noticiários, há uma dupla de semanas pra cá, disseram que o negócio da bolsa de valores da Malária continua a subir, atingindo já uma cifra média de 25 almas por dia em todo o território nacional.

Parece-me serem mortes que já não doem a mais ninguém a não ser os familiares dos que perdem seus entes-queridos. Aos poucos vamos perdendo a sensibilidade e a nos acostumarmos com a morte como se fosse um até breve concreto.

Enquanto discutíamos sobre as prestações das nossas congéneres africanas no Mundial, as fintas, qualidade dos golos e os penteados dos jogadores, o preço do combustível está a ser aconselhado a subir ao dobro para se criar um equilíbrio na economia do país. O dobro!! Condição física para se andar a pé vai se precisar.

Foi liberada a entrada de carros em segunda mão com ate 6 anos de fabrico para ligeiros e 10 para pesados. Uma festa pela decisão, sem conhecimento de causa foi feita. Não sei como serão feitas essas aquisições, quando o kuanza é só mesmo “nosso mambo” e as divisas continuam a fazer caretas perante os pacatos cidadãos de estratos sociais duvidosos.

Os “lords” sabem como fazerem.

São eliminadas as equipes africanas do Mundial e nas estradas nacionais, na Operação “Relâmpago” são “eliminados” também ou apanhados, devido o consumo de álcool acima da média, quase 800 automobilistas pelo bafómetro. Um bem-haja a nossa Polícia Nacional em colaboração com as Forças Armadas Angolanas, que num final de semana conseguiram aumentar o consumo de água nas festas e convívios particulares, evitando assim mortes supérfluas nas rodovias.

É um claro sinal que quando queremos pôr ordem, conseguimos.

De equipas favoritas à equipas que simpatizamos, aguardávamos pela nova lei dos feriados nacionais, e de Maio, até agora, não se falou coisa alguma. O 27 de Maio continuará a ser como a estória do Capuchinho Vermelho, onde não se sabe ao certo se o Lobo comeu ou foi comido pela Capuchinho com conivência da própria avó.

Ainda acredito que os historiadores já activaram a amnésia selectiva quanto a este assunto. O nosso mundial acontece aqui, ao vivo e a cores mas… neutras, com todos os nossos problemas (a)normais de um país, enquanto, na zona mais protegida do mundo neste momento a magia da bola também tem feito as suas peripécias sob o olhar atento do vídeo árbitro (quando há a necessidade). Não somos os piores.

Na Rússia não estamos, mas cá dentro não deixamos de marcar golos… Nem que seja em fora
do jogo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here